sábado, 30 de outubro de 2010

Inocente


Inocente!
"E, disse-lhe Jesus: Nem eu também te condeno; vai-te e não peques mais" (João 8.11)




Se você tem se perguntado como Deus reage quando você falha, emoldure as palavras do verso acima e pendure-as na parede. Leia-as. Medite nelas. Ou melhor, leve-as com você ao seu abismo de vergonha. Convide Jesus a viajar com você, a estar ao seu lado, enquanto você torna a contar os eventos das noites mais escuras de sua alma. E então ouça. Ouça cuidadosamente. Ele está escrevendo. Está deixando uma mensagem. Não na areia, mas numa cruz. Não com sua mão, mas com seu sangue. A sua mensagem tem uma única palavra: Inocente

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Limpando o santuario



Limpando o santuário

"Estando próxima a páscoa dos judeus, Jesus subiu a Jerusalém. E achou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombas, e também os cambistas ali sentados; e tendo feito um azorrague de cordas, lançou todos fora do templo, bem como as ovelhas e os bois; e espalhou o dinheiro dos cambistas, e virou-lhes as mesas; e disse aos que vendiam as pombas: Tirai daqui estas coisas; não façais da casa de meu Pai casa de negócio. Lembraram-se então os seus discípulos de que está escrito: O zelo da tua casa me devorará". (Jo 2.13-17)

O Senhor Jesus entrou dentro do templo e com uma azorrague de cordas, expulsou todos que se encontravam lá, com seu dinheiro e seus produtos. Fez uma limpeza no interior do templo, e tirou tudo aquilo que não é santo. Você pode pensar que vou falar sobre aquele tolo discurso de que pedir dízimo e oferta é fazer comércio na casa do Senhor. Não, somente os que andam em espírito conseguem entender qual a mensagem que Cristo nos deixou.

"Pela abundância do teu comércio o teu coração se encheu de violência, e pecaste; pelo que te lancei, profanado, fora do monte de Deus, e o querubim da guarda te expulsou do meio das pedras afogueadas". (Ez 28.16)

Lúcifer foi lançado fora da presença de Deus e se tornou trevas, porque o comércio do seu coração se encheu de violência. Sim, ele fez comércio dentro do seu coração, e se contaminou. Da mesma forma, nosso coração é o templo do Senhor, mas o que estamos fazendo dele? Enchendo-o de comércio, violência, prostituição, impureza?

"Fariseu cego! limpa primeiro o interior do copo, para que também o exterior se torne limpo". (Mt 23.26)

Não há como falar em paz, nem em bençãos na sua vida exterior (prosperidade, saúde, vida conjugal), se o interior estiver cheio de maldade. Isso também é idolatria, quando você ergue em seu coração imagens de outros deuses, contaminando o templo do Senhor. Como o fermento leveda toda a massa, o seu coração cheio de corrupção estraga toda a sua vida.

"E Asa fez o que era bom e reto aos olhos do Senhor seu Deus; removeu os altares estranhos, e os altos, quebrou as colunas, cortou os aserins, e mandou a Judá que buscasse ao Senhor, Deus de seus pais, e que observasse a lei e o mandamento. Também removeu de todas as cidades de Judá os altos e os altares de incenso; e sob ele o reino esteve em paz". (2Cr 14.2-5)

Faça como Jesus, expulse com violência todo o comércio do seu coração, ou então como o rei Asa, destrua todos os altares estranhos de dentro do seu coração. Você é quem deve fazer isso, use a azorrague da fé, e destrua o mal que há em você! Limpe o templo do Senhor, aí sim você terá paz!

Que Deus te abençoe!
Anderson M. Ferreira

www.PalavradeCristo.com.br

domingo, 24 de outubro de 2010

Examinar e Meditar


Estamos vivendo uma época de muitos pastores, bispos, apóstolos e ministros do evangelho mundialmente conhecidos por sua eloquência e igrejas "cheias". E em sua maioria adaptando o evangelho às vidas e não mais as vidas sendo transformadas e adptadas conforme o genuíno evangelho de Cristo.
O caminho não seria mais o mesmo- Cristo? 
Foi considerando esta minha observação que resolvi postar a passagem do evangelho de João 5:39

"Examinais as escrituras, porque vós cuidais ter nela vida eterna, e são elas que de mim testificam." 

Examinar: esquadrinhar,pesar, Ponderar, observar ou analisar atentamente, minuciosamente...(fonte dicionário de sinônimos AOL) 
No grego Anakrino significa: peneirar para cima e para baixo, fazer um exame cuidadoso e exato.

Porém a preocupação de Deus Pai já vem de tempos com relação aos cuidados a serem tomados por seus filhos. Ele disse a josué que não apartasse de sua boca o livro da lei, que meditasse de dia e noite e fizesse conforme tudo que estivesse escrito...Josué1:8

Infelizmente muitos tem esquecido alguns conselhos divino, como: Examinar e meditar.
Paulo deixa claro o valor dos que procedem dentro deste conselho divino; examinando e meditando:
"Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim."At.17:11

A nobreza do carater Cristão está em examinar a veracidade de tudo que é dito nas igrejas e fora delas, se de fato se encontram em conformidade com as escrituras. E a frequência deste exame deve se dar dia a dia como faziam os bereanos.
Um verdadeiro cristão, é um estudiosos da palavra de Deus; os bereanos recebiam de bom grado mas nem por isso deixavam de conferir, examinar, ver se era aquilo mesmo que estava sendo passsado; e não era qualquer pessoa que estava ensinando, era o Apóstolo Paulo!
O maior mandamento deixado por Jesus foi “amar a Deus de todo coração, alma e entendimento” (Mateus 22.37). Muitos no erro, e outros suscetível a heresias, exatamente por não cumprirem a última proposta, de amá-lo também com entendimento. E infelizmente vão "ingerindo" tudo que se coloca pra que eles "comam", afinal não estão alimentados! Pregações nocivas, que fazem de seus ouvinte crentes em sua própria fé, nos quais não tem base sólida e nem sabem a razão de sua fé.
Infelizmente algumas denominações tem se valido MAIS de culturas, tecnicas, marketing... do que da inerrante palavra de Deus. Coloquemos a boca no pó....


“Fiz uma aliança com Deus: que Ele não me mande visões, nem sonhos, nem mesmo anjos. Estou satisfeito com o dom das Escrituras Sagradas, que me dão instrução abundante e tudo o que preciso conhecer tanto para esta vida quanto para o que há de vir.”
Martinho Lutero.



“Minha consciência é escrava da Palavra de Deus”
Martinho Lutero
http://monicafontes.blogspot.com/

Voce é trigo ou Joio ?

O TRIGO E O JOIO

Pr. Alejandro Bullón

"O texto para a mensagem de hoje, está no Evangelho segundo São Mateus 13:24-30: "Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou boa semente no seu campo; mas, enquanto os homens dormiam, veio o inimigo dele, semeou joio no meio do trigo, e retirou-se. E, quando a erva cresceu e produziu fruto, apareceu também o joio. Então, vindo os servos do dono da casa, lhe disseram: Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde vem, pois, o joio? Ele, porém, lhes respondeu: Um inimigo fez isso. Mas os servos lhe perguntaram: Queres que vamos e arranquemos o joio? Não! replicou ele, para que, ao separar o joio, não arranqueis também com ele o trigo. Deixai-os crescer juntos até à colheita, e, no tempo da colheita, direi aos ceifeiros: Ajuntai primeiro o joio, atai-o em feixes para ser queimado; mas trigo, recolhei-o no meu celeiro."
O primeiro ano do ministério de Jesus nesta terra foi marcado por uma curiosidade extraordinária por parte do povo. Os milagres, as curas, os atos prodigiosos que Jesus fazia, despertavam a admiração do povo e de certa maneira, despertavam também o carinho. O povo seguia ao Senhor Jesus, com muito entusiasmo. Poderíamos dizer que o primeiro ano do Seu ministério nesta Terra foi um ano de popularidade.
No segundo ano, os líderes religiosos daquele tempo se encarregaram de colocar o povo contra o ministério do Senhor Jesus. Os fariseus observavam atentamente o que Ele falava, para depois "torcer" tudo o que Jesus dizia. Queriam acusá-Lo de blasfêmia, de falsidade ideológica, de rebeldia contra a doutrina estabelecida pela Igreja daqueles tempos. Então andavam vigiando o Senhor Jesus, passo a passo, tentando achar um erro nos Seus ensinamentos. É por isso que no terceiro ano de Seu ministério aqui na Terra, Jesus começou a usar, em Seus discursos e ensinamentos, aquilo que chamamos de parábola.
No Sermão da Montanha, pronunciado no início do Seu ministério, o Senhor Jesus disse as coisas de maneira clara, sem rodeios, mas como os inimigos agora tentavam encontrar erros em tudo que Ele dizia, Jesus passou a trabalhar com sabedoria e prudência. Por isso Ele começou a usar as parábolas. Mas o que são as parábolas? São ensinamentos paralelos a uma lição principal. Quando Jesus queria ensinar uma lição básica, Ele usava um ensinamento paralelo tomando figuras, quadros, idéias, maneiras de pensar do povo para que, a partir daquilo que o povo conhecia, Ele pudesse ensinar a verdade que queria fixar na mente das pessoas. É por isso que no último ano do Seu ministério, encontramos muitas parábolas. Uma delas é a parábola do trigo e do joio. A semente boa e a semente má.
Nesta parábola encontramos dois senhores: o proprietário, dono da terra, e o inimigo do proprietário. O proprietário, que simboliza Deus, semeia de dia. Deus sempre apresenta às coisas claras. Com Deus não existe penumbra, nem sombras, nem trevas. O que Ele faz, faz na luz do dia. Com Deus não existe mentira, nem falsidade, nem coisas dúbias. Com Deus, tudo é claro como a luz do dia. E Ele diz: "... a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito." (Prov. 4:18)
O outro personagem da parábola é o inimigo do proprietário. Este, simboliza o diabo. De acordo com a parábola, este semeia à noite. Oculto nas trevas, escondido. Ele é o pai da mentira e o pai da falsidade. Ele anda com rodeios, com meia-verdades. Nunca apresenta uma mensagem clara. Esconde-se é astuto.
Você vê? Dois senhores: Deus trabalhando na luz do dia; e o diabo trabalhando nas trevas da noite. Deus semeando trigo bom; o diabo semeando joio mau. Deus, semeando para colher; o diabo semeando para confundir. O fim também é completamente diferente. O trigo bom é colhido para o celeiro e o joio é jogado ao fogo.
Na interpretação da parábola, o Senhor Jesus diz assim: "O campo é o mundo." (Mat. 13:38)
E sabe? Todos nós habitamos neste mundo. Isto quer dizer que ninguém aqui pode ficar no terreno neutro ou dizer: "Hoje eu não vou me comprometer". Porque naquele campo, que representa o mundo, só existe trigo e joio. Apenas dois grupos: semente boa ou semente má. Não existe um terceiro grupo, daqueles que estão pensando se serão bons ou serão maus. Somente dois grupos.
O que Deus está tentando nos dizer é que, nós só temos dois caminhos, dois destinos: ou seguimos a Deus, ou seguimos o Seu inimigo. Ficar no terreno neutro, já é seguir o inimigo de Deus. Você se compromete ou não. Você segue ou foge. Você aceita ou rejeita. Essa é uma das lições que a parábola do trigo nos ensina.
Seguindo a parábola, nós percebemos que o inimigo semeia uma planta que é muito parecida com o trigo. As duas plantas, trigo e joio, são tão parecidas, que quando os empregados dizem ao patrão: "... queres que vamos e arranquemos o joio? (o patrão diz:) Não! ... deixai-os crescer juntos até a colheita... " (Mateus 13:28-30) Ou seja: "Deixem o trigo e o joio crescerem, porque se nós começarmos a tirar agora o joio corremos o perigo de, tentando tirar a erva má, tirar por aí um trigo bom, deixem que as plantas amadureçam. Um dia, quando a colheita chegar, aí sim, o trigo e o joio terão destinos diferentes."
Esta é uma lição básica que precisamos aprender. Por mais doloroso que pareça, entre nós há trigo bom, plantado pelo Senhor Jesus. E também há joio plantado pelo inimigo de Jesus. Quem é trigo bom e quem é joio? Isso, ninguém pode saber agora. Por favor, não me digam que podemos saber pelos frutos. Porque os frutos que hoje mostramos, não são provas que determinam quem é "joio" e quem é "trigo". Hoje, comissão nenhuma de Igreja, pode determinar quem é "trigo" e quem é "joio". Pastor nenhum pode fazê-lo. Líder nenhum, membro de Igreja nenhum e nenhum cristão pode determinar quem é "trigo" e quem é "joio". Hoje, com as nossas limitações humanas, não podemos fazê-lo. Mas, uma coisa é verdade: em toda a Igreja hoje há trigo e joio. Mais ainda: entre os líderes da Igreja, hoje, há trigo e joio! Entre os oficiais de igreja local, diáconos, diaconisas, diretores de jovens, há "trigo" e "joio".
Sabem qual é um dos grandes perigos que corremos hoje? De começar a determinar se a Igreja é a Igreja de Deus ou não, por causa do joio que possamos achar. Deus tem Sua Igreja nesta Terra. O campo também é o reino de Deus porque a semente "são os filhos do reino". Jesus planta trigo bom, mas o inimigo vem à noite, amparado pelas trevas e planta joio mau. Trigo e joio têm que crescer juntos, dentro do ministério, dentro do magistério, dentro do campo da música e entre os membros da Igreja. Trigo e joio têm que crescer juntos até o dia da vinda de Cristo. Esta é uma lei da vida. Queiramos ou não, aceitemos ou não, esta é uma lei da vida.
Agora vem a pergunta: "Pastor, ninguém pode saber quem é trigo e quem é joio?" Pode sim. Só eu e Deus podemos saber se eu sou o trigo ou joio. Vocês não. Minha esposa não. Meus filhos não. Só Deus e eu sabemos se eu sou trigo ou joio. Só Deus e você sabem se você é trigo ou joio. Eu sou incapaz de olhar para os meus irmãos e dizer: "Este é trigo e este é joio." Porque nós, seres humanos, podemos ver apenas o que está diante dos nossos olhos. Deus, porém, vê o coração. Eu posso enganar as pessoas, mas eu não posso enganar a Deus e nem posso enganar a mim mesmo. Nas horas de solidão eu sei quem eu sou e não posso enganar a meu Deus.
O plano de Deus é que todos na Sua Igreja sejam trigo e Ele está trabalhando para isso. Ele veio a este mundo para reproduzir, em cada cristão, o Seu caráter maravilhoso. Para fazer-nos crescer e produzir frutos.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Alexandre o Grande

Dizem que estes foram os três últimos desejos de ALEXANDRE O GRANDE:

- Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época; 
- Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistado como prata , ouro, e pedras preciosas ; 
- Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão, à vista de todos.

Um dos seus generais, admirado com esses desejos insólitos, perguntou a ALEXANDRE quais as razões desses pedidos e ele explicou:

Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte; quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem; quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.

Pense nisso!

Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma. Eclesiastes 9:10..

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Não sejam Gananciosos

Cuidando do seu Dinheiro
“Não sejam gananciosos… pelas coisas deste mundo.” (Colossenses 3:5)

Uma grande companhia de cartões de crédito fez um comercial com o slogan: “Você pode ter tudo isto agora!” Isso lhe soa familiar? Pouca coisa mudou. Satanás disse a Adão e Eva: “Se vocês querem aquela maçã, peguem-na.” Depois você se preocupa com o pagamento. Vá em frente; ponha no cartão de crédito. Ou melhor, obtenha este novo cartão de crédito com juros baixos e não pague nada por um ano. “É isso mesmo pessoal, sem juros e sem pagamento por um ano inteirinho.” Se a sua  família está financeiramente em risco e tem uma dívida enorme de cartão de crédito, não morda a isca. É hora de sair das dívidas, e não de mergulhar mais fundo nelas. Se você quer ajuda, tente usar estes quatro princípios bíblicos: 1) “Não sejam gananciosos pelas coisas boas desta vida, pois isto é idolatria” (Ver Colossenses ‘3:5). Pare de desejar coisas que você não precisa. Em vez disso, tente desfrutar do que você tem. 2) Se você não está dizimando, comece agora! Você passará da economia vacilante do mundo para a economia infalível de Deus. Quando você dizima, Ele promete proteger os seus interesses e enviar tantas bênçãos que “não haverá espaço suficiente para guardá-las” (ver Malaquias 3:8-12). 3) “Do Senhor é a terra, e tudo o que nela existe” (Salmo 24:1) e Ele promete “suprir todas as suas necessidades” (Filipenses 4:19). Então, antes de ir às compras, experimente orar! Peça a Deus o que você precisa, e depois espere que Ele responda. 4) Comece a dar um pouco do que você tem. “Quem reparte generosamente seus bens com outras pessoas se tornará cada vez mais rico... [e] quem procura segurar mais dinheiro do que necessita acabará perdendo tudo... a pessoa generosa terá sempre mais e mais” (Provérbios 11:24-25). Vá em frente, faça isso! Obedeça a Deus, seja paciente, e veja o que acontece.

Danilo SaSo
“...A ganância insaciável é um dos tristes fenômenos que apressam a autodestruição do homem...”

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Aborto e crime

Uma mulher chega apavorada no consultório de seu ginecologista e diz:- Doutor, o senhor terá que me ajudar num problema muito sério.Este meu bebê ainda não completou um ano e já estou grávida novamente.Não quero filhos em tão curto espaço de tempo, mas num espaço grande entre um e outro...

O médico então perguntou:Muito bem. O que a senhora quer que eu faça?

A mulher respondeu:Desejo interromper esta gravidez e conto com a sua ajuda.

O médico então pensou um pouco e depois de algum tempo em silêncio disse para a mulher:Acho que tenho um método melhor para solucionar o problema.E é menos perigoso para a senhora.

A mulher sorriu, acreditando que o médico aceitaria seu pedido.

Ele então completou:Veja bem minha senhora, para não ter que ficar com dois bebês de uma vez,em tão curto espaço de tempo, vamos matar este que está em seus braços.Assim, a senhora poderá descansar para ter o outro, terá um período de descanso até o outro nascer.Se vamos matar, não há diferença entre um e outro.Até porque sacrificar este que a senhora tem nos braços é mais fácil,pois a senhora não correrá nenhum risco...

A mulher apavorou-se e disse:Não doutor! Que horror! Matar um criança é um crime.

Também acho minha senhora,mas me pareceu tão convencida disso, que por um momento pensei em ajudá-la.

O médico sorriu e,depois de algumas considerações, viu que a sua lição surtira efeito.

Convenceu a mãe que não há menor diferença entre matar a criança que nasceue matar uma ainda por nascer, mas já viva no seio materno.

O CRIME É EXATAMENTE O MESMO!!!!! Se quer fazer diferença, repasse. Juntos podemos salvar muitas vidas!

DIGA NÃO AO ABORTO!DEUS TE AMA DESDE O VENTRE DA TUA MÃE!

Assembly of God uma igreja Missionaria

video

domingo, 17 de outubro de 2010

O Manual de Desculpas


O Manual de Desculpas


"...Todos eles começaram a dar desculpas..." (Lucas 14:18)
Nós temos várias desculpas na ponta da língua! Em Lucas 14, Jesus falou sobre três homens que foram convidados para um casamento. Naquela época, o primeiro convite geralmente era enviado com meses de antecedência, e mais tarde era enviado um lembrete. Casamentos eram caros, portanto, ser convidado era uma grande honra, e recusar era considerado um insulto. Assim como todos nós, aqueles homens eram muito ocupados. Mas o fato é que eles já haviam aceitado o convite. Então, no último minuto, um deles disse: "Acabei de adquirir um campo e preciso inspecioná-lo..." (v. 18). Naquela época, comprar uma propriedade era complexo e exigia tempo, e o comprador costumava ter muitas oportunidades para examiná-la antes de fechar negócio. Este homem deixou que os bens o fizessem recuar. O outro homem disse: "Comprei… seis juntas de bois, e… quero experimentá-los…" (v. 19). Este sujeito vivia de arar a terra, e comprar bois sem experimentá-los era como se comprássemos um carro sem fazer um teste drive. Ele deixou que a sua carreira o fizesse recuar. O terceiro homem disse: "Agora tenho uma esposa, por isso não posso ir" (v. 20); em outras palavras: "Casei e mudei, fim de papo!" Os relacionamentos deste homem o fizeram recuar. Jesus estava falando com os fariseus aqui, e na essência Ele disse: "Vocês receberam um convite pessoal de Deus e vocês o rejeitaram!." Isso não é uma crítica ao fato de termos uma carreira, bens e relacionamentos; trata-se de chamar a sua atenção para que as coisas boas não ceguem você a ponto de não deixá-lo ver coisas melhores. Resumindo, "Todos eles começaram a dar desculpas", e as coisas e os prazeres mostraram a importância que tinham para todos eles. É por isso que Deus diz: "Coloque a sua afeição nas coisas do alto, e não nas... terrenas" (Cl 3:2).

"...Pessoas que são boas em arranjar desculpas raramente são boas em qualquer outra coisa..."

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

A PEQUENA ÁGUIA.


Um pouco desproporcional aos outros, mais lá estava ele. Um grande Ovo.
A dona galinha resolveu o adotar, sentou sobre ele e o chocou. Junto com seus pintainhos saiu também uma pequena águia. Uma grande ave conhecida pela sua grande visão e seus belos vôos. Mais não para aquela pequena águia, ela estava num galinheiro cercada de pequenas aves, sem conhecer os seus verdadeiros talentos. Mais isso por pouco tempo, certa vez ela percebeu que era maior que qualquer uma daquelas aves e então olhou para o céu. A sua perfeita visão fez com que ela percebesse que lá em cima era o seu lugar, e então ela voou.
Deus deu ao crente a visão da águia, muitos assim como a pequena águia, ainda não aprendeu a voar para alcançar aquilo que Deus tem preparado.
Porque o seu salário nunca sobra? Porque de tantas doenças? Porque várias pessoas alcançam tantas posses e outros sempre perseguidos por esses transtornos. A bíblia nos ensina: Malaquias 3.10-12 "Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a guardares.
E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.
E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o SENHOR dos Exércitos."
Só se vive perseguido por estas coisas quem não descobriu que Deus tem ricas bênçãos preparados para a sua igreja e adorar a Deus com os dízimos e as ofertas é uma forma de estarmos enquadrados para recebermos a promessa de Deus.
Uma águia só vive como uma galinha enquanto não descobre que é uma águia. Portanto, Voe. existe um horizonte todo a sua frente, saia do chão, não exista nada que te prende a ele. Existe bênçãos inimagináveis para a sua vida. Veja: 1º Cor. 2.9 "Como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam." e "Deus ama ao que dá com alegria." (2º Cor. 9.7).

Deus abençoe a todos
Fugindo de tudo e de Todos


Conforme o texto Jonas 1.1-3Jonas foi convocado por Deus para ir a Nínive, capital da Assíria a fim de falar a aquele povo sobre a crueldade que eles vinham praticando, e que a paciência de Deus com eles já tinha acabado. Os ninivitas eram conhecidos conforme estudiosos, por decapitar seus inimigos e construir uma pirâmide com os crânios.
É muito provável, que Jonas não tenha gostado de ser escolhido por Deus para tal tarefa, e quem gostaria sabendo que aquele povo? E os Ninivitas eram tradicionais inimigos de Israel. Possivelmente, o medo de Jonas era tamanho que ele resolveu desobedecer a Deus, ao invés de fazer o que era correto. Seria difícil ele aceitar o fato de que fora incumbido por Deus para alertar o seu inimigo sobre a possível punição que poderia sofrer da parte de Deus. Para Jonas, seria melhor mesmo que Deus acaba-se com todos os Assírios e pronto assim também somos nós, quer tudo fácil quando vêm as lutas queremos correr se esconder enfiar a cabeça dentro da terra para não ver ninguém, não falar com ninguém, ou seja, ficar isolado.

Então, nós impedido pelo medo, de encarar os problemas da vida resolve comprar uma passagem para bem longe o possível. Ai meu amado impedidos de aceitar as situações e de fazer o que é correto, fogem da realidade e embarcam em uma vida de ilusões e mentiras.
Alguns fogem da realidade da vida e do que é certo, embarcando no navio da vida que não tema mais sentido para ele. Acham uma fuga em sair da presença de Deus, culpando muitas vezes até o Pastor a igreja que não a visita, cria situações diversas. Outros fogem da realidade e do que é certo, embarcando no navio das mentiras e das “maracutáias”. Conseguem mentir pra si mesmo e acreditam nas próprias mentiras. Muitas, são as rotas de fugas, porém é importante que se diga, agir errado e fugir, trás conseqüências drásticas sobre as nossas vidas.
Então, quem sabe no porão do “navio de nossa fuga”, dormimos e sonhamos com uma nova vida, onde não precisamos mais conviver com a idéia de ter fugido do que é certo e do que é correto, porém, algo acontece. A vida, mesmo se encarrega de cobrar dívidas deixadas para trás. Onde nós lembramos coisas horríveis que praticamos no passado vem tudo a mente, dá aquela vontade de enfiar a cabeça na terra e não ver ninguém.
Na nossa caminhada Deus então manda um vento forte, com ondas gigantescas que começam a balançar o nosso barco e todos os que estão em novo do redor (navio) temem e começam a te julgar pelo nosso passado, chegam até perguntar onde está nosso Deus. Nós, somos “o fugitivo do que é certo” indiferentes da situações.
 A dureza do nosso coração se tornara indiferente aos sofrimentos.
Como o capitão do navio chamou atenção Jonas por ver ele ali parado. Você não esta vendo o navio afundar e você esta ai dormindo? Faça alguma coisa.
Assim são as pessoas que estão ao nosso redor olha para nos pensa que somos super homem. Falam coisas que acaba de matar nossa vida Espiritual. A nossa vida (navio) esta afundando num mar de materialismo que não tem fim, só pensamos em ganhar dinheiro e esquecemos as coisas de Deus, a ordem divina que nós foram dadas.
O vento e a tempestade tinham atingido o navio, pelo pecado, pelo erro e pela fuga de Jonas. Agimos da mesma forma que Jonas agiu.  Os tripulantes não tinham nada em haver com aquilo, porém sofriam as conseqüências e atitudes erradas de Jonas. Cada erro que cometemos, trazem conseqüências sobre as nossas vidas e trazem conseqüências sobre as vidas daqueles que nos rodeiam. Nossos filhos sofrem, nossa esposa sofre, os amigos sofrem tudo ao nosso redor sofre. Já vi muitas famílias serem totalmente destruídas pelo erro de uma única pessoa. Já vi filhos pagarem caro pelos erros dos pais e já vi pais pagarem caro por erros de filhos. Não estamos imunes, nossa fuga, trará sérias conseqüências, que poderá atingir aqueles que estão ao nosso lado. Importante que se diga, que o homem que foge de Deus, é um para-raio, tudo de ruim acontece com ele e ao seu redor. Era o caso de Jonas.
Só existe uma coisa a fazer, encarar a vida como ela é, mas, encarar com Jesus, sem Ele a vida se torna mais difícil e complicada. Vamos levantar a cabeça e andar mais um pouco como fez Agar (Gênesis 21), chegou até pedir a morte o Senhor fez com que ela enxergasse um poço mais na frente para caminhar, assim também foi com Elias (I Reis 19) que do mesmo modo deitou debaixo de um pé de zimbro e pediu a morte.
O Senhor Deus deu alimento e mandou que caminhasse um pouco mais, vamos se alimentar da pura Palavra de Deus e caminhar para nova Jerusalém nossa terra prometida.
Onde o Senhor Jesus disse os seus discipulos (João 14) que la tem muitas moradas, para mim e para você, caro leitor


http://pitante.blogspot.com/

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Voce confia em Deus ?

"Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, 
nem com os olhos se viu Deus além de ti, que trabalha para aquele que 
nele espera." Isaías 64:4.





Quando confiamos no Senhor e nEle 
esperamos, diz a Bíblia que Ele trabalha em nosso favor. Às vezes é difícil esperar, pois nós somos muito imediatistas e o tempo de Deus é 
diferente do nosso. Mas lembre-se que o Senhor Jesus falou que tudo que 
pedirmos ao Senhor, Ele nos concederia, então peça, Ele te abençoará. 
Deus tem prazer em fazer milagres, por isso não se desespere, agüenta um pouquinho mais, e a tua vitória virá.
Pai querido, eu sei que o 
Senhor tem o melhor para mim, não permita que eu tome nenhuma decisão apressada, ajuda-me a esperar no Senhor, no Seu tempo, pois tenho certeza que a Sua promessa vai se completar em minha vida. Eu rejeito toda ansiedade, toda falta de fé e todo medo.


Postado por Rev Wilson Leal
Pastor da Assembly of God in Japan

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Avançar
“…o Espírito de Deus Se movia…” (Gênesis 1:2)
Os discípulos de Cristo deixaram tudo para seguir alguém que nem sequer haviam começado a compreender. Eles sonhavam com um Messias que estabeleceria um reino temporal e que derrotaria o Império Romano, e por isso a crucificação de Cristo mexeu com a cabeça deles. A ressurreição Dele teve o mesmo efeito, porque agora eles teriam de pregar uma mensagem que lhes custaria a vida. Às vezes eles não sabiam o que fazer com Jesus: “… quando os discípulos O viram andando sobre as águas... exclamaram: ‘É um fantasma! ’ E gritaram de medo…” (Mt 14:26). Quando Ele comeu com eles na praia após a Sua ressurreição, “…nenhum… tinha coragem de indagar-lhe: ‘Quem és Tu?’ – pois sabiam que era o Senhor” (Jo 21:12). Se você vai andar com Deus, prepare-se para ver a sua fé ser testada. A primeira coisa que lemos sobre Deus nas Escrituras é que Ele “Se movia”. Se planeja avançar com Ele, precisa vencer duas coisas. Em primeiro lugar, o comodismo. Foi feita uma experiência na qual colocaram uma ameba em um ambiente livre de estresse.  As condições eram ideais; ela não precisava se adaptar. Mas apesar disso ela morreu. Por quê? Porque precisamos de mudanças e de desafios como precisamos de comida e água. Em segundo lugar, precisamos evitar a reclamação.  O não reconhecimento da bondade de Deus fez Israel andar em círculos por 40 anos: “Essas coisas aconteceram a eles como... advertência para nós...” (1 Co 10:11). Duas crianças se sentaram para lanchar. Uma delas abriu a lancheira e começou a reclamar: “Sanduíche de presunto de novo? É o quarto dia seguido. Estou enjoado de sanduíche de presunto!” Seu amigo disse: “Aposto que se disser à sua mãe que não gosta de sanduíche de presunto ela fará outra coisa para você”. “Minha mãe?” respondeu a primeira criança. “Acho que vou precisar fazer meu próprio lanche”. Alô! Você tem o hábito de reclamar? Saiba que não adianta nada. Resolva a situação! Decida-se a avançar e crescer com Deus!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010


O Campo e o Mercado
Por Robert J. Tamasy

A vida do campo traz pouca referência para muitos de nós que atuamos no mundo de negócios. Mas muitos princípios de uma fazenda se aplicam ao mercado de trabalho. O fazendeiro, por exemplo, precisa cultivar o campo, preparando-o para receber as sementes. Nos negócios também se “cultivam” clientes em potencial, construindo relacionamentos e os convencendo que serão mais bem servidos que no concorrente.
 
Um outro princípio faz parte do que geralmente chamamos “leis da colheita”. Quem já trabalhou no campo entende estas leis. Mas não é preciso ter experiência com lavoura, nem tampouco diploma em agronomia ou botânica para reconhecer sua importância. Estas leis podem ser encontradas na Bíblia, em Gálatas 6:

Colhemos o que semeamos. Se plantarmos sementes de cenoura cultivaremos cenouras. Se semearmos nabo colheremos nabo. Aplicando ao contexto empresarial, se persistirmos em demonstrar desconfiança – com empregados, clientes ou fornecedores – eles também responderão com desconfiança. Se os tratarmos com gentileza e cuidado nos predispomos a receber em troca o mesmo tratamento. “O que o homem semear, isso também colherá” (Gálatas 6.7).
 
A colheita surge em outra estação. O agricultor mais amador sabe que não se plantam sementes em um dia e esperar plantas adultas no dia seguinte. "Sementes” plantadas hoje, boas ou más, darão frutos no futuro. É frequente ouvir de líderes que sofreram conseqüências de suas imprudências anos depois. Podem ter pensado que tivessem escapado, mas tempos depois suas ações foram expostas. Pode-se manter elevados níveis de integridade e excelência e só colher “frutos” dessa dedicação no futuro. “No tempo próprio colheremos”  (Gálatas 6.9).
 
Colhemos mais do que semeamos. Se plantarmos um grão de milho colheremos mais que outro grão. Um único pé apresentará várias espigas. Se fizermos o melhor para satisfazer um cliente, podemos esperar negociar com ele mais que uma vez, em razão da experiência inicial positiva. Mas se preferirmos atalhos, não devemos nos surpreender se ele tentar nos trapacear na primeira oportunidade. “Se plantar no terreno da sua natureza humana, desse terreno colherá a morte. Porém, se plantar no terreno do Espírito de Deus, desse terreno colherá a vida eterna” (Gálatas 6.8).
 
A hora da colheita chegará, se perseverarmos. É fácil ter uma boa idéia, como abrir um negócio ou embarcar numa carreira promissora. Mas aquele que persevera, apegando-se à visão é que alcança sucesso, sobrevivendo aos reveses e vencendo obstáculos.Os fazendeiros seriam tolos se arassem o campo ,lançassem sementes, regassem o solo e não se preparassem para a colheita. Que valor haveria em lançar os alicerces de um empreendimento e não acompanhá-lo até o sonho tornar-se realidade? Empresários de sucesso tiveram que aceitar fracassos e enfrentar tempos de desânimo. Mas não perderam o foco, nem desistiram de seus objetivos. “E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos” (Gálatas 6.9).
 
Próxima semana tem mais!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Sou um Perfeito Imperfeito!
"Até a perfeição tem os seus limites..." (Salmo 119:96)
Padrões elevados e atenção aos detalhes são qualidades recomendáveis; elas mostram que você se orgulha do seu trabalho. No entanto, os fanáticos por perfeccionismo adotam uma abordagem de tudo ou nada encontrando erros e sendo obsessivos com a idéia de como poderiam ter feito algo melhor. Os perfeccionistas vêem as oportunidades de desempenho como oportunidades de fracasso, de modo que mesmo quando atingem o seu objetivo, eles não têm uma sensação de realização. Nenhum de nós jamais atingirá a perfeição deste lado da eternidade. Todos nós somos imperfeitos, acostume-se com isso! Nós só "conhecemos em parte..." (1 Coríntios 13:9). Portanto: Dê a si mesmo permissão para falhar, para poder ter êxito. Embora não seja provável que você atinja a excelência logo de início, não tenha medo de tentar. Você não terá resultados perfeitos, mas será capaz de ver que, às vezes, um desempenho médio pode representar um progresso. Relaxe. Perdoe a si mesmo, e estenda graça a outros. Não fique atolado nos detalhes. Estabeleça um prazo; diga: "Vou dar trinta minutos de prazo para isto." Tenha expectativas razoáveis… faça o seu melhor e incentive outros a fazerem o mesmo. Falhas e imperfeições determinam a sua singularidade. Desfrute-as. Abrace-as… você é humano… Deus fez você assim. A verdade é esta: Deus não julga os nossos erros nem de perto com tanta dureza quanto nós. Ele “... lembra-se de que somos pó…" (Salmo 103:14).
Danilo SaSo
“...O fracasso é simplesmente a oportunidade de começar de novo de uma forma mais inteligente...”

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

DÍZIMO
O dízimo é a décima parte de um todo. É freqüente ouvir exortações de pastores conclamando os fies a contribuir com o dízimo do seu salário, e qualquer outra receita, para determinadas  igrejas, com base em versículos tirados do Velho Testamento (na absoluta falta de qualquer referência a esta pretensa obrigação no Novo Testamento). É um exemplo clássico da retirada de versículos fora do seu contexto para uma indevida aplicação.
Vejamos as três ocorrências do dízimo encontradas no Velho Testamento:
1. O DÍZIMO DADO POR ABRÃO A MELQUISEDEQUE:
Depois que Abrão voltou de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele, saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma, no vale de Savé (que é o vale do rei). Ora, Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; pois era sacerdote do Deus Altíssimo; e abençoou a Abrão… E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo. Então o rei de Sodoma disse a Abrão: Dá-me a mim as pessoas; e os bens toma-os para ti. Abrão, porém, respondeu … não tomarei coisa alguma de tudo o que é teu, nem um fio, nem uma correia de sapato, para que não digas: Eu enriqueci a Abrão” (Gênesis 14:17-23).
Sobre este evento temos referência no Novo Testamento: “Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão quando este regressava da matança dos reis, e o abençoou, a quem também Abraão separou o dízimo de tudo… Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu o dízimo dentre os melhores despojos… E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos” (Hebreus 7:1-9).
Abraão deu a Melquisedeque, sacerdote do Deus Altíssimo, a décima parte do saque conquistado na guerra, “os melhores despojos”. Não era parte da sua propriedade, e nem tencionava Abraão ficar com o resto dos despojos, pois os entregou imediatamente depois ao rei de Sodoma, de quem haviam sido roubados anteriormente. Não há nada na Bíblia que nos possa sugerir que Abraão costumava dar o dízimo regularmente sobre a sua renda. É, portanto, um absurdo ridículo concluir que esta ocorrência isolada e apenas demonstrativa da superioridade do sacerdote Melquisedeque sobre Abraão e sobre o sacerdócio Levítico, seja exemplo válido para exigir que os cristãos paguem 10% dos seus salários (não despojos de guerra), à sua igreja ou aos pregadores no rádio e televisão, como alguns destes sustentam.
2. O DÍZIMO PROMETIDO AO SENHOR POR JACÓ:
Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for comigo e me guardar… e me der pão… e vestes… de modo que eu volte em paz à casa de meu pai, e se o Senhor for o meu Deus, então… de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo” (Gênesis 28:20-22).
Jacó, neto de Abraão, primeiro reconheceu que o Senhor é Deus, depois lhe propôs um negócio: se o Senhor cumprisse com as condições estabelecidas por Jacó, então Jacó lhe devolveria um décimo. Esta é a primeira e única vez que lemos na Bíblia sobre alguém que promete devolver a Deus o dízimo de tudo o que dEle receber. A importância dessa proposta de Jacó, ou Israel como Deus o chamou mais tarde, é que o Senhor a aceitou, e cumpriu com a Sua parte, e com base nela estabeleceu as regras dos dízimos na lei dada aos seus descendentes através de Moisés.
Não se recomenda a nenhum cristão negociar com o Senhor desta forma, muito menos considerar que ele e seus irmãos na fé estão obrigados a pagar dízimos por causa do que Jacó contratou. Deste exemplo aprendemos que Deus não espera um “dízimo” antes de ter abençoado o “contribuinte”. Jacó declarou que devolveria a décima parte a Deus: mas como? Ainda não havia igreja local, templo ou o sacerdócio levítico, e não havia como entregá-lo pessoalmente a Deus ou a um anjo. Mas havia duas maneiras diferentes: participando de uma parte ele próprio e a sua família em comunhão e com agradecimentos a Deus (Deuteronômio 12:6-7), e distribuindo ao estrangeiro, ao órfão e à viúva (Deuteronômio 14:29).
3. OS DÍZIMOS EXIGIDOS DE ISRAEL PELA LEI DE MOISÉS:
Seria necessário ler a lei para verificar todas as suas minúcias. O povo de Israel era composto de doze tribos, das quais uma, a de Levi, fornecia os sacerdotes e escribas para o serviço de Deus e para a instrução do povo. Essa tribo não herdou território do qual pudesse tirar o seu sustento da terra, e os dízimos se destinavam principalmente ao seu sustento e à própria manutenção do templo. Os dízimos eram cobrados apenas dos fazendeiros, que pagavam dízimos em espécie sobre o que cultivavam e criavam, havendo a cobrança de dois durante cada ano e um terceiro em cada terceiro ano.
Quem não fosse fazendeiro pagava apenas meio siclo por ocasião da Páscoa: não se cobravam dízimos sobre salários ou rendas financeiras. A imposição de dízimos era parte da lei de Moisés, e somente podia vigorar enquanto a lei de Moisés estivesse vigente. A lei de Moisés terminou quando Jesus Cristo morreu na cruz, dando início ao Novo Testamento com o Seu sangue.
Com o Novo Testamento, o pagamento de dízimos pelos filhos de Deus cessou completamente, pois:
  1. Como o Senhor Jesus havia declarado, o templo israelita foi totalmente destruído (Mateus 24:1-2). Somente os sacerdotes levitas podiam receber os dízimos, e não existem mais.
  2. Deus não habita em templos feitos por mãos de homens (Atos 17:24).
  3. Os verdadeiros crentes, os santos, são agora o templo de Deus segundo o Novo Testamento (2 Coríntios 6:16).
  4. Como não há mais templos, também não existe sacerdócio no templo, sendo cada crente um novo sacerdócio (1 Pedro 2:9).
  5. Do crente não se requer que dê um dízimo a Deus do seu salário, ou da sua renda, mas que entregue tudo o que ele é e tem (Romanos 12:1), sendo ele próprio o templo onde Deus habita. Ele não precisa de um intermediário ou intercessor, sendo Jesus Cristo seu perfeito intercessor e Sumo Sacerdote assentado à destra da Majestade nos céus (Hebreus 7:28-8:1). Somente começaram a aparecer as cobranças de “dízimos” financeiros em igrejas muitos séculos depois do início do cristianismo, para sustentar as instituições religiosas que se formaram. São totalmente diferentes dos dízimos do Velho Testamento, logo não podemos nos basear em textos do Velho Testamento para defendê-los.
Em princípio, a contribuição financeira dos santos à obra de Cristo não é feita em função de uma alíquota obrigatória, igual para todos, mas cada um contribui na medida em que tiver prosperado. Alguns podem dar muito, outros pouco e alguns mesmo nada. Deus ama ao que dá com alegria (2 Coríntios 9:7).
Cada um poderá destinar sua contribuição a um ou mais fins específicos na obra de Deus, por exemplo: Paulo em seu tempo recomendou aos santos de Corinto que semanalmente pusessem à parte uma contribuição destinada aos que sofriam em Jerusalém (1 Coríntios 16:1-4). Muitos vão preferir fazer ofertas anônimas em obediência ao princípio que encontramos em Mateus 6:3. Não é necessário, e poucas vezes é recomendável, que se assuma um compromisso com o destinatário.
A Bíblia não ensina em lugar algum que a contribuição deve ser dada integralmente à igreja local, a uma missão, entidade ou a uma pessoa qualquer. Ao contrário, a recomendação de Paulo foi no sentido de que seja guardada à parte, em particular, para ser fornecida na medida da necessidade. Devemos ajudar na manutenção da nossa igreja local, mas isso não significa passar tudo para ela.
A Bíblia especifica que deverão ser estimados por dignos de duplicada honra, ou remunerados, os presbíteros que governam bem, principalmente os que trabalham na Palavra e na doutrina (1 Timóteo 5:17, Gálatas 6:6). As necessidades que chegam ao nosso conhecimento podem ser variadas, e às vezes algumas surgem inesperadamente. Como despenseiros daquilo que Deus nos confia, sejamos sábios com a maneira em que o empregamos.
Ninguém tem o direito de assumir autoridade para distribuir o que é da nossa responsabilidade, muito menos de ditar quanto deve ser a nossa contribuição para determinado trabalho. Por outro lado, existem irmãos que oferecem ao Senhor o seu tempo e habilidade para encaminhar nossas contribuições ao seu destino, como o apóstolo Paulo, e fazemos bem em usarmos os seus serviços, agradecendo a Deus por eles.
Pesquiza  feita por  Pastor Aldenor

Familia

Nunca foi fácil ter uma família segundo o padrão estabelecido por Deus

_Gilberto_Celeti_

A impressão que se tem é que as crianças estão perdendo a inocência mais cedo. Como cumprir os padrões bíblicos se a infância e adolescência de hoje em dia é tão diferente nos costumes em relação à época bíblica? Os costumes mundanos pressionam mais hoje do que antigamente?

Sem dúvida, no passado, uma criança demorava um pouco mais de tempo para ter a consciência de ser pecadora (ficava mais tempo na “inocência”). Hoje a criança chega a idade da consciência muito mais cedo. A influência da mídia tem sido muito forte nesta área. Há uma geração antes da TV e uma geração depois da TV. Quem teve uma infância sem TV em casa é da geração antes da TV. Quem, desde que nasceu já convive com a TV (muitas vezes até como babá eletrônica) é da geração depois da TV.

Há, no entanto, uma consideração a ser feita. Será que houve algum período da história da humanidade que teria sido mais fácil para educar os filhos? Será que há alguém que gostaria de ter vivido em outra época para constituir a sua família? Eu penso que não. Por exemplo: teria sido fácil viver na época de Noé, quando a violência prevalecia? E na época de Ló, quando a imoralidade não conhecia limites? E viver na época do império babilônico, ou grego, ou romano? Quanta perversidade e imoralidade. Ou na idade média? Ou no século XIX, XX ou XXI?

Nunca foi e nunca será fácil constituir uma família segundo o padrão de Deus. As pressões sempre serão muito fortes, mas...

Maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo, 1 João 4.4

Vamos lembrar que a família é uma instituição divina e o Senhor quer preservá-la. A nossa parte é a fidelidade para com Deus e Sua palavra.

O dever dos pais para com os seus filhos
Há na Palavra de Deus um ensino muito evidente sobre o dever dos pais para com os seus filhos. Você já reparou no pensamento do Senhor ao anunciar a Abraão a destruição de Sodoma e Gomorra? Ele disse:

Ocultarei a Abraão o que estou para fazer, visto que Abraão certamente virá a ser uma grande e poderosa nação, e nele serão benditas todas as nações da terra? Porque eu o escolhi para que ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, a fim de que guardem o caminho do Senhor e pratiquem a justiça e o juízo, Gênesis 18.17-19

Antes do povo de Israel entrar na terra prometida, recebeu uma solene instrução sobre o dever de amar ao Senhor de todo o coração, de ter as Suas palavras no coração e de inculcá-las nos filhos, seja assentado em casa, seja andando pelo caminho, seja na hora de deitar, seja na hora de levantar:

Moisés disse ao povo: — São esses os mandamentos e as leis que o Senhor, nosso Deus, mandou que eu ensinasse a vocês. Portanto, obedeçam a esses mandamentos na terra em que vão entrar e que vão possuir. Temam o Senhor, nosso Deus, vocês, os seus filhos e os seus netos, e cumpram sempre todos os mandamentos e leis que eu lhes estou dando e assim vocês viverão muitos anos. Povo de Israel, tenha o cuidado de cumprir a lei de Deus. Então, conforme disse o Senhor, o Deus dos nossos antepassados, tudo correrá bem para vocês, e vocês se tornarão numerosos naquela terra boa e rica onde vão viver. 
— Escute, povo de Israel! O Senhor, e somente o Senhor, é o nosso Deus. Portanto, amem o Senhor, nosso Deus, com todo o coração, com toda a alma e com todas as forças. Guardem sempre no coração as leis que eu lhes estou dando hoje e não deixem de ensiná-las aos seus filhos. Repitam essas leis em casa e fora de casa, quando se deitarem e quando se levantarem,Deuteronômio 6.1-6, Bíblia Linguagem de Hoje

Estas instruções foram dadas na forma de mandamento. Não eram opcionais.

No Novo Testamento é clara esta responsabilidade:

E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor, Efésios 6.4

Uma boa análise deste versículo demonstra que a palavra “pais” (pateres, no original grego), refere-se apenas aos homens pais e não inclui as mães. Isto não quer dizer, é óbvio, que as mães podem ficar omissas, pelo contrário; mas a principal responsabilidade está nas mãos dos pais, que infelizmente, não cumprem o seu papel nesta área.

Conselhos para os pais
Como os pais podem cumprir com eficiência a exigência de Provérbios 22:6? Sim, aquele versículo que diz:

Instrui o menino no caminho em que deve andar e até quando envelhecer não se desviará dele

Uma das melhores maneiras é a prática do Culto Doméstico, antes mesmo de nascerem os filhos. Quando estes vão chegando, desde pequeninos, participam com seus pais daqueles instantes de leitura bíblica, de oração, de louvor, de envolvimento com o trabalho missionário através da intercessão, vão desenvolvendo o amor e o compromisso para com o Senhor.

Outro conselho é o de aproveitar todas as oportunidades e circunstâncias para compartilhar do Senhor e Sua Palavra (sentado, andando, deitando, levantando, comendo, brincando, passeando, etc). Para isso é preciso ter a Palavra do Senhor no coração. Lembre que a boca fala do que o coração está cheio.

Outro ponto de fundamental importância é a presença e a participação de toda a família numa igreja onde as crianças são valorizadas e há investimento sério da liderança da mesma na educação das crianças. Alguns pais apenas apontam o caminho da igreja, infelizmente. Em algumas igrejas, lamentavelmente, as crianças são um estorvo ou apenas uma “isca” para atrair os pais.

A expressão "instrui o menino no caminho em que deve andar" traz a idéia de você se certificar que a criança entrou no caminho. Como Jesus é o caminho, os pais deveriam não só apontar este caminho, mas conduzir suas crianças à salvação e se certificarem que elas entraram, de fato, no Caminho.

Querido papai, querida mamãe, você já levou o seu filho a Cristo? O privilégio de evangelizá-lo e de discipulá-lo é de vocês!

Pr. Gilberto Celeti
Missionário da Aliança Pró Evangelização das Crianças - APEC do Brasil
Contato: gilceleti@gmail.com

Por favor, reproduza nossos conteúdos à vontade, mas dê os devidos créditos ao autor e ao blog http://www.josesanmartin.com.br/. Comente no espaço abaixo ou entre contato conosco pelo e-mail:josesanmartincaminaneto@gmail.com - Deus o(a) abençoe!